quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

25 DE JANEIRO - Agenda Mágica



Disting, importante dia no calendário rúnico dedicado às Disir, deusas protetoras dos homens, acompanhantes da deusa do destino Urdh.
Na mitologia eslava, as deusas do destino se chamam Rodjenice ou Rozdenici e, da mesma forma que as Parcas gregas, acompanhavam todos os nascimentos, tecendo, medindo e cortando o fio da vida. Para atrair suas bênçãos aos recém-nascidos, elas deveriam receber uma parte da comida da festa de batizado. Antigamente, as mães enterravam a placenta de seus filhos sob uma árvore frutífera, invocando essas deusas para protegerem-nos.
Festival vietnamita Tet, invocando as bênçãos das divindades e dos ancestrais com orações e oferendas, afastando as energias negativas e os espíritos maléficos com assobios, sinos e tambores.
copiado de Teia de Thea

Na mitologia nórdica , um dis ("senhora", dísir plural ) é um fantasma, espírito ou deidade associada com o destino que tanto pode ser benevolente e antagônicas em relação aos mortais.  
Dísir podem agir como espíritos protetores do clã das Norses .  
Sua função original era possivelmente a de deusas da fertilidade , e que foram objeto de culto tanto privado como oficial chamado dísablót e sua veneração pode derivar o culto dos espíritos dos mortos.

tradução de: http://en.wikipedia.org/wiki/D%C3%ADs

As dísir são as mães ancestrais, a primeira da nossa linha ancestral.  
Freya é considerada a 'Rainha do dísir "devido a sua fertilidade e qualidades mágicas, mas Frigga poderia muito bem preencher este papel. Frigga é a Deusa da fertilidade no aspecto maternal.  
Ela é a Mãe Terra e a Deusa Padroeira das mães e da família.
Ela auxilia no parto, como se relata da dísir.Diz-se que elas (disir) possuem essas mesmas qualidades.
"Elas estão presentes em todos os partos , acompanham-na em sua vida e também na sua morte." (Mães Antiga, Hodge Winefred) 
Também poderia ser argumentado que elas preenchem o papel das Norns, sendo passado, presente e futuro.  
Outra teoria é que as dísir são as almas deslocadas das Mães Ancestrais. (Theedrich Yeat) 
Após o nosso nascimento as mães antigas entram no nosso corpo com a nossa primeira respiração e guiam-nos através da nossa vida e na nossa morte, até nós a liberarmos o seu espírito com o nosso último suspiro para o parente mais próximo.  

A dísir são específicas da família, e um aspecto importante: atuam em ambos, nos homens e as almas das mulheres. 
Cada família tem o sangue de sua mãe ancestral fluindo em suas veias. 
A dísir são as vozesinhas dentro de nós que nos dizem para ir adiante ou esperar.  
São a intuição da mulher, que herdamos de nossas mães, antigas e modernas. 
Os deuses e as deusas representam a alma inconsciente coletivo, o dísir (e os Einherjar) representam a nossa alma consciente, a nossa alma vivente.  
Eles ajudam-nos agora em nosso estado de vigília.  
Dão-nos consciência das coisas que precisamos durante o nosso estado consciente: força, intuição, inspiração, etc 
Eles são importantes para nos curarmos, são  espíritos femininos sábios que nos guiam em nossas vidas diárias, são as sensações instintivas que você começa a sentir quando algo parece tão certo ou errado.
O Disting e a celebração Ostara são as ocasiões onde a reverencia às Disir são mais fortes. Nessas celebrações o véu entre o mundo material e o mundo do dísir é mais tênue.  
Acenda uma fogueira e relembre e conte sobre os feitos de seus ancestrais, fale de sua grandeza.  
Lembre-se que à noite, eles irão ouvi-lo, pois estarão entre as gerações de sua família e você vai sentir a sua força presente.  
Toda vez que você falar seus nomes e cantar as suas obras, eles vivem para sempre.

traduzido de http://www.odinic-rite.org/main/feast-of-the-disir/ 


25 de janeiro - quarta-feira

25 de janeiro - também e dia de Celebração do Deus-serpente NagaPanchami e da deusa Kadru

, a "Mãe das Serpentes". "Rainha das Serpentes" também era o nome da Deusa Egle, nos países eslavos; da Deusa Uadjit, no Egito e da Deusa Coatlicue, no México. 
Na Grécia e em Roma, eram inúmeras as Deusas associadas às serpentes, entre elas Echidna, Górgona, Lâmia, Medusa e Python.
 
Aproveite este dia e faça um ritual para liberar e transmutar sua raiva, evitando, assim, que ela lhe "envenene" ou prejudique outras pessoas. 
Procure uma pedra escura, limpe-a com água corrente e peça a permissão ao ser elemental que nela habita para este trabalho. 
Pense em todos os momentos em que você sentiu raiva e não conseguiu expressá-la. Transfira essa energia escura e densa para a pedra. 
Se sentir vontade, grite. 
Enterre depois a pedra, pedindo às Erínias e às Deusas Serpentes que transmutem sua raiva em energias mais positivas, libertando você desse veneno. 
Coloque, depois, uma imagem de cobra em seu altar ou use alguma joia em forma de serpente para firmar essa conexão.

texto copiado de http://cantinhodosdeuses.blogspot.com



Gratidão por estar visitando meu blog!! Volte sempre!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Doando as unidades que ainda possuo! - Ana Maria Braga mostra a que ela possui!!

pesquise aqui os assuntos que procura!!!

Quem sou eu

Minha foto

Sou alguém que se encanta pela vida no dia a dia, descobrindo sempre novas formas de agir, se melhorando e tentando melhorar o seu redor. Acreditando que a Luz está dentro de cada um e que ela deve iluminar sempre a caminhada. Tenho como intenção: fazer amigos, aperfeiçoar a vida, dedicar-me às boas obras, promover a verdade e reconhecer nos semelhantes meus irmãos de caminhada. Descobrindo sempre mais e mais de vários mundos: Mundos terapêuticos, ideais, sustentáveis, mágicos, de Paz...