segunda-feira, 25 de junho de 2012

Honrando Parvati - deusa indiana


Parvati é a consorte (Shaki - energia feminina) de Shiva,é a Deusa mãe.

Ela tem vários nomes cada qual com um significado especial:

Sendo Shiva, também chamado de Bhava, sua mulher é conhecida como Bhavani; 
Ela é Parvati, por ser filha do rei das montanhas, Parvataraja. 
Como ela é a origem de todas as coisas boas para aqueles que tem fé e seguem a doutrina da virtude, ela é "Sarvamangala". 

Desde a sua infância ela era uma devota de Lord Shiva. 
Constantemente se prostava em meditação e devoção à Shiva, permanecendo por longo tempo na mesma postura.
Depois que ela cresceu ela se fez uma severa penitência na floresta com o propósito de ter o Lord Shiva como seu marido.

Afeição e obediência aos mais velhos, lealdade às tradições, determinada devoção à Shiva, carinho para aqueles estão com problemas, esforço perseverante até a conclusão das boas ações - estas são as características de Parvati.


copiado de Divindades Vedicas do Bhagavatam


Esposa de Shiva, era a filha das montanhas do Himalaia e irmã do rio Ganges. Com amor, afastou Shiva de seu ascetismo. Representa a unidade de deus e deusa, do homem e da mulher.



Na Índia, celebrava-se Teej, o festival de Parvati, a grande deusa do Himalaia.
Ela é a manifestação de Shakti, a consorte de Shiva, mãe de Ganesha, o deus com corpo humano e cabeça de elefante.
Parvati era um dos aspectos de Devi, a Grande Mãe hindu e representava o amor, a paixão e sexualidade.
Filha do éter e do intelecto, ela era a regente dos elfos e dos espíritos da terra.
Era considerada a personificação do Monte Himalaia, sendo diversificada em várias deusas regionais ligadas às forças da terra, da natureza, da inteligência e da criatividade.
Parvati pode ser invocada para aprender o equilíbrio entre o físico e o espiritual, buscar alegria, harmonia, sabedoria e realização sexual, conectando, assim, seus múltiplos aspectos.

copiado  de Teia de Thea

SUGESTÃO DE RITUAL PARA PARVATI

Parvati (sânscrito: Pārvatī, पार्वती), às vezes escritas Parvathi ou Parvathy, é uma deusa hindu e nominalmente a segunda consorte de Shiva, o deus hindu da destruição e renovação.
No entanto, ela não é diferente de Sáti, sendo a reencarnação da ex-consorte de Shiva. Ela também é a mãe de Ganesha, Skanda (Kartikeya).
Algumas comunidades também acreditam que ela é a irmã de Vishnu e Shaktas.

Ela é considerada como a derradeira Divina Shakti - a encarnação da energia total do Universo.
Em muitas interpretações das escrituras, Parvati é também considerada como uma representação de Shakti, embora com aspecto mais suave do que a deusa mãe, porque ela é uma deusa.
Ela é considerada a filha do Himalaia.
Parvati quando retratada junto com Shiva aparece com duas armas, mas, quando sozinha, ela é mostrada com quatro braços, e astride um tigre ou leão.
Geralmente considerada uma deusa benigna, também tem aspectos temerosos como Durga, Kali, Chandi e os Mahavidyas bem como apresenta-se nas formas benevolentes de Mahagauri, Shailputri e Lalita.
Às vezes, Parvati é considerada  a suprema Mãe Divina e todas as outras deusas são referidas como encarnações ou manifestações dela.
Em Shavias, Parvati e Durga são iguais, mas os seguidores de Shakti e Vishnu consideram Durga, Kali e Chandi como aspectos temerosos de Parvati, considerando-se ela como Deusa Suprema.

MATERIAL: Utilize toalha rosa, imagens da Deusa Parvati, Shiva e Ganesha, velas rosa e verde, incenso indiano de massala, mel, leite, água e mangas.

LIMPEZA: Limpe-se com agua com petalas de rosa e incenso de lotus.

HARMONIZAÇÃO: Cante o mantra Om Na M Shiva, que é o mantra que homenageia Shiva, consorte de Parvati. (Você encontra a música em http://www.youtube.com/watch?v=nDwELHvQbNY). Traçado do círculo

INVOCAÇÃO DOS DEUSES -

Invoque Parvati e Shiva como o casal que se ama profundamente, e ama seu filho, o divino Ganesha.
Leia o mito sobre eles e comece a visualizar o amor que une essa familia sagrada, projetando-o sobre sua familia.
Mentalize que uma luz rosada que parte do coração de Parvati se une a uma luz verde que parte do coração de Shiva e se junta a uma luz azul que parte do coração de Ganesha.
Veja que a harmonia dessas luzes forma um arco iris, de onde brota uma flor de lotus vermelha e dourada.
Veja que o aroma do Lotus e as cores irradiam perfeita harmonia.
Agradeça aos Deuses e depois faça o feitiço, com a energia recebida nessa meditação.

FEITIÇO DE BENÇÃO E HARMONIA PARA CASAIS E FAMILIAS

Visualize a lotus nascida dos corações de Parvati, Shiva e Ganesha.
Faça um desenho ou utilize um botão de lotus natural para o feitiço.
Jogue a energia do amor e harmonia da familia divina sobre a lotus e deixe que a lotus percorra as energias de todos os membros de sua familia, criando harmonia e curando problemas.
Use uma essencia de lotus para abençoar vc e todos os membros da familia com o amor de Parvati e Shiva.

Erga o cone de poder, celebre cantando e dançando.
Faça uma oferenda de leite, agua e mel aos Deuses.
Beba leite e coma manga em honra aos Deuses.

Desfaça o circulo mágico.

BB
Mavesper Cy Ceridwen

copiado de Abrawicca

Parvati é a primeira reencarnação de Shákti, e personifica a suavidade e o instinto maternal. 
É representada como uma mulher muito bonita, de seios grandes e quadris largos – simbolizando a fecundidade. 
Seus devotos recorrem a ela para pedir fertilidade e harmonia no casamento. 

Segundo os Vedas, Parvati é a única esposa de Shiva capaz de aplacar a ira do marido. 
Parvati é uma divindade largamente idolatrada pelos hindus. 
É conhecida como cônjuge de Shiva e mãe de Ganesha. 
Por este motivo, aqui explicamos seu aparecimento e sua interação com eles. 

Parvati é uma das formas da deusa Shakti, especialmente criada para seduzir Shiva.
Veja abaixo a história detalhada da criação de Parvati, desde o momento em que Shiva perdeu seu primeiro amor...

Profundamente triste com a morte do primeiro amor de Shiva (Sati), ele se isolou em uma caverna escura no Himalaia. 
Enquanto isso, os demônios liderados por Taraka, vieram e expulsaram os deuses para fora do paraíso. 
Os deuses precisavam de um guerreiro que pudesse ajudá-los a restaurar a ordem celestial.

"Apenas Shiva pode lutar como um guerreiro" disse Brahma.

Mas Shiva, imerso na meditação, estava alheio aos problemas dos deuses. 
Sua meditação produziu grande força e energia.
Sua mente estava cheia de bons conhecimentos e seu corpo tornou-se resplandecente de energia. 
Mas todo seu conhecimento e energia, dentro de seu ser, não podia ser usado para ninguém.
Os deuses invocaram à deusa mãe, Shakti, para que encontrasse uma forma de contornar a situação. 
"Eu vou me enroscar ao redor de Shiva, e absorver seu conhecimento e energia para o bem do mundo e farei dele o pai de uma criança." disse Shakti. 
Shakti então encarnou como Parvati, determinada a retirar Shiva de dentro de sua caverna e fazer dele seu cônjuge.
Todos os dias Parvati visitava a caverna de Shiva, limpava o chão, decorava-a com flores e oferecia a ele frutas, esperando ganhar dele o amor. 
Mas Shiva nunca abriu seus olhos. 
Exausta, a deusa invocou Priti e Rati, as deusas do amor e da longevidade. 
Essas deusas entraram na caverna de Shiva e a transformaram em um belo jardim cheio da fragrância de flores e com o som de abelhas. 
Guiada por Priti e Rati, Kama, a deusa do desejo, assoprou e atirou flexas de desejo no coração de Shiva. 
Shiva ficou furoso. 
Ele abriu seu terceiro olho e liberou chamas de fúria que engoliram Kama e reduziram seu belo corpo a cinzas. 
A morte de Kama alarmou os deuses.

 "Sem a deusa do desejo, o homem não poderá abraçar a mulher e a vida cessará."

"Eu devo encontrar outra forma de atingir o coração de Shiva. 
Quando Shiva se tornar meu cônjuge, Kama renascerá." disse Parvati.

Parvati entrou na floresta e executou rigorosas penitências, não se vestindo para proteger seu corpo do clima rigoroso, não comendo nada, nem mesmo uma folha. 
Ao executar esses rigorosos procedimentos, Parvati ganhou a admiração das entidades da floresta, que a nomearam Aparna. 
Aparna tocou Shiva em sua capacidade de se excluir do mundo e dominar seus desejos físicos. 
A força de seus tapas acordaram Shiva de sua meditação. 
Ele caminhou para fora da caverna e aceitou Parvati como sua esposa. 
Shiva casou-se com Parvati na presença dos deuses, seguindo os rituais sagrados. 
Depois, levou-a para o local mais alto do cosmos, o monte Kailasa, o pivô do universo. 
Eles então se tornaram um e Kama pôde renascer.
Parvati amoleceu o coração empedrado de Shiva com seu afeto. 
Juntos eles descobriram as alegrias da vida de casados. 
A deusa acordou Shiva para o mundo, despertando nele vários desejos. 

Em troca, ele revelou a ela os segredos dos Tantras e dos Vedas, que ele havia adquirido durante a meditação.
Inspirado na beleza de Parvati, Shiva tornou-se o fomentador das artes, da dança e do teatro.
Conforme o combinado com os deuses, Parvati deu a aura de Shiva para eles e disse: "Daqui vocês vão poder retirar o deus da guerra que vocês procuram."

Os deuses deram a aura de Shiva para Svaha, cônjuge de Agni, a deusa do fogo. Incapaz de conservar a força da aura por muito tempo, Svaha deu a aura para Ganga, a deusa do rio, que refrigerou-a em suas águas congelantes, até que a aura de Shiva se transformasse em uma semente.

Aranyani, a deusa da floresta, embebeu a semente divina no solo fértil da floresta, que cresceu e se transformou em uma criança robusta com seis cabeças e doze braços. 

As seis ninfas da floresta, chamadas Krittikas, encontraram esta bela criança em uma lotus. 
Tomadas de afeição materna, começaram a cuidar da criança. 
O filho de seis cabeças de Shiva, nascido de várias mães, tornou-se conhecido como Kartikeya. 
Parvati ensinou a Kartikeya a arte da guerra e transformou-o em um guerreiro celestial chamado Skanda. 
Skanda comandou os soldados celestiais, derrotou Taraka na batalha e restaurou o paraíso aos deuses. 
Skanda, guardião do paraíso, destruiu muitos demônios que se opuseram ao reinado dos deuses. 
Mas ele não conseguiu derrotar o demônio Raktabija. 
Jamais o sangue deste demônio tocou o chão, pois quando ele jorrava, tranformava-se em milhares de novos demônios. 
Ele parecia indestrutível. 
Para ajudar seu filho em sua batalha para afugentar os três mundos do demônio, Parvati entrou no campo cósmico da batalha como a temida deusa Kali. 
Kali sugou o sangue que jorrava do demônio com sua longa língua antes que o sangue pudesse se transformar em novos demônios. 
Raktabija, sem poder se reproduzir, foi perdendo sua força. 
Então Skanda foi capaz de derrotar Rajtabija e todas as duas replicações com facilidade. 
Skanda agradeceu sua mãe por sua ajuda. 
Para celebrar sua vitória, Kali dançou muito no campo de batalha.

Intoxicada pelo sangue de Raktabija, Kali correu pelos três mundos, destruindo tudo e todos os que estavam em seu caminho.
Para acalmá-la, Shiva tomou a forma de um cadáver e bloqueou seu caminho. 
Como deusa, cega pelo sangue, ver o corpo de seu cônjuge sem vida foi um choque que tirou-a do êxtase. 
Ela caiu em si e quis saber se havia matado seu próprio marido. 
Ela pôs um pé em Shiva e o trouxe de volta à vida.
Shiva então tomou a forma de uma pequena criança e começou a chorar, trazendo o amor maternal para o coração de Kali. 
Isso forçou-a a mudar para sua próxima forma: Gauri, a mãe radiante, provedora da vida. 
Gauri disse a Shiva que desejava ter uma criança. 
Mas Shiva não estava interessado em uma família. 
Ele se afastou dela e foi à floresta fazer penitências. 
Determinada a ser uma mãe, Parvati decidiu criar um filho dela própria sem a ajuda de seu marido. 
Ela cobriu sua face com pasta de sândalo, retirou a pele morta, misturou-a e moldou-a em uma bela boneca, na qual ela assoprou a vida. 
Então ela ordenou ao seu filho recém criado, cujo nome é Ganesha, que vigiasse sua caverna e dela afastasse todos os estranhos. 
Quando Shiva retornou para Kailas, Ganesha não o reconheceu e o impediu de entrar na caverna. 
Irritado pela insolência da criança, Shiva pegou seu tridente e cortou sua cabeça. 
Quanto Parvati viu o corpo de seu filho sem cabeça, ela chorou copiosamente. Para acalmar Parvati, Shiva ressucitou a criança, colocando uma cabeça de elefante no pescoço cortado. 
Shiva também aceitou Ganesha como o primeiro de seus filhos. 
Ganesha, que impediu Shiva de atravessar a porta de da caverna de sua mãe, tornou-se adorado como o removedor de obstáculos, o senhor dos inícios e o senhor do aprendizado. 
Com Parvati de seu lado, Shiva tornou-se um homem de família. 
Mas ele não abandonou sua forma de heremita: ele continou a meditar e imergir em sonhos. 
Sua falta de cuidado, sua recusa de responsabilidades algumas vezes irritou Parvati. 
Mas então ela voltava a si, conformava-se com os caminhos não convencionais de seu marido e restaurava a paz. 
A conseqüente paz matrimonial entre Parvati e Shiva assegurou a harmonia entre matéria e espírito e trouxe estabilidade e paz para o cosmos. 
Parvati também se tornou Ambika, deusa da segurança de casa, do matrimônio, da maternidade e da família.
 
copiado de http://www.freewebs.com/samaraculturaindiana/parvati.htm

Gratidão por estar visitando meu blog!! Volte sempre!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Doando as unidades que ainda possuo! - Ana Maria Braga mostra a que ela possui!!

pesquise aqui os assuntos que procura!!!

Quem sou eu

Minha foto

Sou alguém que se encanta pela vida no dia a dia, descobrindo sempre novas formas de agir, se melhorando e tentando melhorar o seu redor. Acreditando que a Luz está dentro de cada um e que ela deve iluminar sempre a caminhada. Tenho como intenção: fazer amigos, aperfeiçoar a vida, dedicar-me às boas obras, promover a verdade e reconhecer nos semelhantes meus irmãos de caminhada. Descobrindo sempre mais e mais de vários mundos: Mundos terapêuticos, ideais, sustentáveis, mágicos, de Paz...